sexta-feira, 8 de junho de 2012

manage me, I'm a mess. turn a page, I'm a book half unread

O passado acaba sempre por voltar, de uma maneira ou de outra.
A origem da minha melancolia nos últimos dias foi um pouco dificil de identificar, mas não há nada que um dia enfiada na cama, agarrada ao meu Igor não resolva.
Estava a começar a cometer os mesmos erros que cometi no passado e estava, inconscientemente, a ressentir-me por isso.
Aprendi da pior maneira a não confiar nas pessoas. Foi isso que me levou á depressão no passado. Confiar nas pessoas, deixar que elas fossem o centro do meu mundo, esquecendo o que realmente importa; eu.
E estava a ir pelo mesmo caminho. Estava a confiar nas pessoas erradas. Nestes dias, quando mais precisei, toda a gente desapareceu. Ninguém se preocupou em saber como eu estava, toda a gente fez o que eu mais odeio; quando mais precisei de um ombro amigo, não encontrei nenhum.
Sim, tenho problemas de confiança, mas cada vez mais me convenço que esses problemas existem porque as pessoas me dão razões para não confiar nelas.
O que diferencia o passado da actualidade é que antigamente "engolia" os problemas, colocava um sorriso, mas por dentro esse desapontamento e mágoa ia-me corroendo.
Hoje em dia não. Admiti que tinha um problema, ninguém se importou, por isso, porque haveria eu de me preocupar? Se as pessoas não se preocupam comigo, porque haveria eu de me preocupar com elas?
Ultrapassei esse tipo de problemas no passado, sozinha, porque não o haveria de fazer agora?
É triste não ter amigos em quem possa confiar? É, mas sempre consegui as coisas por mim própria, sempre fui atrás dos meus sonhos sem ninguém a seguir-me, por que haveria de ser diferente agora?
Conto pelos dedos de uma mão as pessoas em quem confio, mas isso não me incomoda. Foi esse "incomodar" e o sentimento de que não conseguiria fazer o que quer que fosse sozinha que me levou a uma depressão, porque haveria de ir por esse caminho novamente?
Hoje em dia sinto-me feliz com as coisas que alcancei e não vou deixar que me tirem isso. Não vou deixar que os caminhos errados que segui no passado voltem a impor-se.
Lamento que haja pessoas que fiquem chateadas por dizer o que penso e que não gostem de ouvir o que sinto, mas a vida nunca foi justa e durante muito tempo fizeram "gato sapato" de mim. Isso não voltará a acontecer. Quem quiser ser meu amigo tem que me aceitar como sou. Não vou deixar de dizer o que acho disto ou daquilo só porque "sua majestade" se sente incomodada por eu ter uma mente que funciona sozinha.

Sem comentários: